quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

SOPA e projetos de censura na internet

Parece que a revolução de Janeiro - como todo mês temos de ter uma, e isso se deve à facilidade de informação atual - é com relação à censura. Um tal Lamar Smith, parlamentar dos Estados Unidos, escreveu um projeto chamado SOPA (Stop Online Piracy Act), que, como o nome diz, é contra a pirataria. Ela basicamente dá mais poder legal à empresas que detenham copyrights de produto, e eles teriam direitos totais para barrar quaisquer pessoas que divulguem material de propriedade deles.

Há um ditado na internet. "Nada se cria, nada se exclui, tudo se copia". Por esse motivo, a internet em si estaria ameaçada - um simples upload de vídeo no youtube poderia dar complicações jurídicas catastróficas. As pessoas gradativamente parariam de compartilhar conteúdo, e a ampla capacidade da internet - mesmo informativa - estaria realmente comprometida. Imaginem um mundo onde você não pode usar uma imagem qualquer no seu blog porque ela é de um autor N. Aliás, imaginem um mundo onde muitos blogs não teriam sequer imagens, porque o google imagens basicamente não existiria. Você não poderia ver suas séries online. Não poderia baixar os jogos sem antes tê-los comprado. Baixar música? Nop, a menos que tenha autorização expressa do artista e da gravadora.

Com esse parágrafo acho que já deu para explicar a gravidade do projeto. Então, não, não estou brincando com algo realmente sério. Mas... Alguns pontos são relevantes.

1) O SOPA não é um projeto novo. Várias vezes já tramitaram projetos com relação à "censura" (é anti-pirataria, mas na prática é censura) na internet. Até mesmo aqui no Brasil, em 2010, ocorreu uma tentativa de um deputado (apoiado pela então candidata à presidência Dilma Roussef) de censurar nossa internet - nominando isso "controle público". Não deu certo, obviamente.

2) O SOPA não é de todo ruim. LÓGICO que é uma perda imensa para o público, diminuindo informação e regredindo em vários pontos, mas os pequenos músicos, por exemplo, se beneficiariam do projeto. Imagine que você tem uma banda de Heavy Metal e ofereça suas músicas de graça pro povo ouvir, para mais gente conhecer sua banda. Poucas pessoas ouvem, pois afinal a mentalidade geral é "prefiro algo que eu conheça" e bandas gigantescas ocupam o lugar - com os mesmos downloads gratuitos, porém não-legais - que a sua banda deveria estar. Não estou defendendo o projeto, só olhem por esse lado e entendam o que algumas pessoas que apoiam estão pensando. Não se restringe à música, aliás.

3) A pirataria, apesar de maléfica em termos gerais para o produtor, não é completamente um prejuízo. Muita gente compra músicas no iTunes. Muita gente compra jogo na Steam. Muita gente vai ao cinema. Então o lucro certamente não é MAXIMIZADO, mas é COMPENSADO pela facilidade de acesso. Se de 10 pessoas 5 compram determinado produto por tê-lo baixado ilegalmente e gostado, o lucro é exatamente o mesmo de 5 pessoas conhecendo porque compraram. E se um gordo nerd qualquer sabe disso, uma empresa forrada de profissionais experientes com certeza sabe também. Muitas NÃO ADERIRÃO ao projeto, e protestarão contra ele. Isso reduz quase em absoluto as chances do SOPA ser aprovado.

4) Evidentemente, se a lei for aprovada nos Estados Unidos, muitos serviços que desfrutamos aqui no Brasil poderão ser afetados à curto prazo - quem nunca acessou o thepiratebay? Entretanto, a internet como nós, usuários leigos, conhecemos, é muito pequena. Há uma parcela - e uma grande parcela - da internet "escondida", criptografada para apenas navegação anônima. E essa parcela é incontrolável. O acesso por proxy seria popularizado sem dúvidas, pois não é algo complicado de ser feito nem de entender, e a internet continuaria "normal" - só que completamente anônima.

Portanto, meus jovens, nada a temer do projeto por enquanto. Entendo o rebuliço que isso causou, e sim, achei uma sacanagem tirarem o MegaUpload do ar. Também achei lindo a wikipedia e vários outros sites importantes tirarem seus serviços do ar. E "os" Anonymous, mais uma vez, deram um show e mostraram o poder do usuário da internet, num contra-ataque arrepiante. Mas não haverá "guerra do governo americano contra os hackers", nem nada do estilo. Vocês vão usar sua internetzinha normalmente, assim que o projeto for sumariamente rejeitado.

Não se preocupe, nem o BBB vai ser censurado no facebook, pode continuar a postar bobagens.



Nenhum comentário: