terça-feira, 9 de outubro de 2012

Rachas e "richas": Informativo

Boa tarde, em mais uma tarde maravilhosa desse outubro curitibano!

Começo o post com um agradecimento. Com menos de 24hrs da postagem anterior, tive mais visualizações nela do que em todo este blog - isso significa que os curitibanos estão interessados pela política, o que é ótimo! - e tive muitas palavras de incentivo, uma verdadeira enxurrada de elogios (algo inesperado, acreditem) e algumas críticas muito maduras e construtivas, de modo que posso estar sempre melhorando. Fiquei satisfeito com o recebimento do texto passado, e por isso escreverei mais um, esclarecendo alguns pontos que ficaram abertos. Também me animei e fiz uma enquete (não deixe de votar, está ali à sua direita!), apenas para compreender quantos ainda estão indecisos. Vale lembrar que não quero ser multado, então a enquete NÃO SERVE COMO PESQUISA POLÍTICA, e seu voto é totalmente FACULTATIVO. Pensem nisso apenas como uma enquete estática do facebook. :-)

Os pontos aos quais me referi são alguns que foram muito comentados pela internet e no canto das conversas de barzinho sobre política; Pontos que geram confusão e alguma descrença. Volto a ressaltar que eu não necessariamente apoio algum partido específico, mas sim apoio GUSTAVO FRUET, e por isso estou desmentindo coisas a respeito dele.

O primeiro tema é com relação a algo que eu vi MUITO desde o primeiro turno: "O PT É O PARTIDO DO MENSALÃO". E começo dizendo logo de cara que não, não é.  Oh, sim, muitos do partido estiveram envolvidos com o esquema, mas muita gente de todos os partidos esteve envolvida. O PT é o partido atacado no caso por estar no poder máximo e por alegar ingenuidade quanto ao caso, mas houve mensalão no PSDB, no PP, etc., como qualquer um sabe. Dizer que não conhece os "mensalões" nos outros partidos e/ou as pessoas de outros partidos envolvidas é tão fraco quanto a famosa frase "eu não sabia de nada" do Lula. Gustavo foi RELATOR da CPI dos Correios, a que fez a denúncia, e isso por si só comprova que ele não está aliado com essa gente - que não está só no PT, volto a dizer. Crucificar o PT e o próprio Gustavo por esse motivo é inócuo, é parte de uma política simplista e suja. Irei ilustrar isso que estou dizendo com esse fantástico post do Blog do Tarso.

Há gente boa no PT - assim como há em todos os outros partidos. Tem um pessoal da equipe de campanha incrível, que lutam pelo que querem e acreditam com muito fervor que podem fazer a diferença. Eu respeito profundamente o PT depois de realmente conhecê-lo, ao invés de apenas repetir as coisas que lemos por aí em quaisquer lugares que têm interesses maiores. Não obstante, ambos os candidatos são sensatos o suficiente para evitar desavenças com o partido do Governo Federal, o que mais uma vez prova que essa aliança só pode melhorar Curitiba.

Sei que repeti muita coisa que a maioria já sabe aqui, mas não custa nada reforçar.

O próximo tópico é com relação ao Governador Beto Richa e o motivo da saída do Gustavo do PSDB. A história é, conforme declarada pelo próprio Senador Álvaro Dias, totalmente diferente da alegada por Richa; O engomadinho mentiroso de carteirinha diz coisas absurdas sobre a saída de Fruet, e é desmentido pelo próprio colega de partido. Aliás, isso também ilustra muito bem sobre os podres e nem-tão-podres-assim dos partidos. Para quem não quer ler no UOL, a história é que Fruet pediu para ser prefeito pelo PSDB, acreditando na moral de Richa e no seu apoio, mas Richa recusou dizendo que já tinha um "candidato do esquema" - Ducci - que ele gostaria de colocar na prefeitura. Fruet, então, bateu de frente com o Governador, provando ser uma pessoa com princípios e palavras, e mostrando nas urnas que Richa não é mais "inderrotável". A honestidade de Fruet e sua recusa de ser um "carneiro" do Governador - assim como fez com Roberto Requião - mostra personalidade e qualidade, irrefutavelmente. Gustavo, porém, não deseja mais falar sobre o assunto - coisa que eu concordo, visto que não há mais nada de bom para se tirar disso. Aqui é só um esclarecimento.

E, como terceiro e último tema, algumas pessoas me perguntaram sobre a briga de Ratinho com a comunidade LGBT. Ratinho, membro de um partido que diz que apenas "homem + mulher = família", se recusou a participar de uma sabatina na UFPR pois os manifestantes LGBT planejavam um "beijaço". Além disso, também se posicionou contra o casamento homossexual (não consigo entender o por quê de algumas pessoas ainda serem contra. A felicidade de outra pessoa incomoda tanto assim?), e disse - com todas as palavras - que "não gostaria que suas filhas vissem um beijo entre dois homens numa praça", algo repugnante de se falar. Um "peixe grande" da equipe de Ratinho disse ainda que a sabatina não era democracia e sim "um evento LGBT". Não tenho certeza se isso foi ingênuo ou asqueroso mesmo. Por tudo isso, a comunidade LGBT de Curitiba, originalmente pacífica, está completamente contra Ratinho, conforme podemos ver em alguns eventos do facebook. Percebemos que ele não tem "novas ideias" coisíssima nenhuma.

Este texto é um pouco repetitivo, mas serve como esclarecimento - espero - assim como o meu anterior.

Força Gustavo! É 12!

Obrigado,
Caio Oleskovicz


2 comentários:

Paulo Cesar disse...

Olá Caio, bacana sua atitude. Só gostaria de complementar as informações do mensalão com estes links:

http://www1.folha.uol.com.br/poder/1165270-relator-do-mensalao-afirma-que-votou-em-lula-e-dilma.shtml

e

http://www.cartacapital.com.br/politica/imprensa-tem-dois-pesos-e-duas-medidas-sobre-mensaloes-diz-barbosa/

Trecho:
"Barbosa já disse que a imprensa "nunca deu bola para o mensalão mineiro", ao contrário do que faz com o do PT. "São dois pesos e duas medidas", afirma."

Para mim fica claro que existe um plano da ex-elite brasileira para derrubar o governo petista. Existe uma série de denúncias seríssimas sobre o governo FHC, documentos comprovando remessas gigantescas de dinheiro por familiares do José Serra na época das privatizações, entretanto, a mídia mainstream se mantém calada a respeito, enquanto até boatos são noticiados como se fossem verdade absoluta no governo petista.

Por exemplo, no dia 13 de maio de 1997, o deputado Ronivon Santiago confessou ter vendido seu voto para a releeição de FHC por R$ 200 mil. Saiu uma ou outra reportagem sobre isso, mas no final das contas, o "engavetador-geral da República" arquivou o caso.

Ou então o caso recente da Privataria Tucana, que a imprensa e o PSDB ficaram absolutamente calados a respeito. É sério, nem nota de repúdio, nem declarações desmentindo. Simplesmente ficaram calados e abafaram.

Bom é isso. Eu só gostaria de mostrar que o ódio ao PT é construído pela mídia voltada à classe média alta, provavelmente incomodada com a ascensão social das classes mais baixas.

Definitivamente não é um partido 100% limpo, e tem uma ideologia desenvolvimentalista que eu sou contra, porém não é nem de perto o monstro que a Veja desenhou e as pessoas acreditaram.

Caio Oleskovicz disse...

Oi Paulo,

Obrigado pela contribuição! :)